quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Telas? Tê-las!

Era uma vez uma gatinha, que foi encontrada numa casa abandonada. Veio correndo até a minha perna, ficou se esfregando e pronto, foi parar na minha casa. Meu primeiro resgate em Blumenau. Depois de alguns dias, já consegui uma adotante para ela, porém, como era fim de ano e a pessoa viajaria, a gatinha ficou em casa, sem nome, por quase dois meses. Acho que nunca vi um filhote tão espevitado. Ela subia em tudo, brincava com tudo e com meus dois gatos. Inclusive com Nicolau, que é meio ranzinza com gatos bebês. Um dos passatempos preferidos dessa gatinha era brincar de globo da morte ( já viram no circo? ) no escritório. Ela corria pelas paredes, estante, mesa, chão - na vertical - e, claro no meio da noite, a noite toda. Foi mais bagunceira que o Romeu e, juntando-se a ele, transformou minha casa num caos. Mas eu não ligava, já estava vacinada e achava fofa.
Quando a família voltou das férias, levou a fofa embora. Claro que eu chorei, porque sempre me apego e amo esses pequeninos. Mas sabia que não daria pra ficar. Então ela se foi. Conversei muito com o casal sobre não deixá-la ter acesso às ruas, telas na janela, segurança, etc. 
As pessoas têm infelizmente, muita dificuldade em mudar seu padrão de comportamento. Tudo que implica reorganização de rotina - ou de mentalidade - incomoda e muitas vezes é deixado de lado. Essa família não foi diferente, achavam que gato tem que ir pra rua, passear e não teria problema, porque moravam no primeiro andar e era baixo. 
A gatinha foi batizada de Fiona* (mudei o nome para preservar a identidade da pessoa). Sempre eu via fotos dela, soube que destruiu uma cortina nova - lógico, afinal pra que servem cortinas senão para serem escaladas com garras afiadas? - mas era muito amada. Tinha uma vida muito boa.
Três anos após isso, a pessoa me procura, querendo adotar outro gatinho, porque a Fiona tinha sumido. Eles se mudaram de casa e, mesmo apresentando a gatinha pessoalmente para todos os vizinhos - porque ela continuou tendo acesso às ruas - um dia ela saiu e não voltou. Souberam que um dos vizinhos odiava (ou ainda odeia) gatos. E sobrou para a pobre da Fiona, linda, fofa, que, em sua liberdade e inocência, invadiu, provavelmente o espaço do ser humano macabro.
A dona da Fiona me pediu um outro gatinho. Disse que só daria se ela telasse a casa primeiro e ela disse que vai fazer isso, sem sombra de dúvida, pois, nunca mais vai deixar gato ir pra rua, chora até hoje. Valeu a lição. Infelizmente custou a vida de um animalzinho inocente.


"Fiona" - quando ainda era um tiquinho de gata bagunceira e morava conosco, antes de ser doada.

Era uma outra vez um Gato lindo. Viveu por aí por um tempo, chegou à adolescência e foi resgatado. Teve seu destino mudado numa feira de adoção. Tinha já quase um ano quando conheceu a família que o levou pra casa e se apaixonou por ele. Tinha fotos no Facebook, vida boa, já era castrado, recebia amor - inclusive de três crianças, dormia com seu melhor amigo, que lia histórias do Resgato Maloqueiro para ele.
Era muito amado, muito. 
No apartamento onde morava tinha grades, mas não tinha tela nas janelas. E um dia o Gato viu que poderia passear pelas ruas de Blumenau. Foi, claro. E não voltou. Família desesperada, crianças tristes, passando por uma perda dolorosa. Alguns dias depois, Gato voltou pra casa, porque, afinal era bom morar ali, com comida, amor, conforto. E ficou um tempo, até que resolveu ir pra rua de novo, porque, mesmo depois da experiência da primeira fuga, as janelas continuavam abertas, dando acesso às aventuras e perigos exteriores.
Só que desta vez o Gato não voltou. Já há dois meses o lugarzinho dele está vazio na cama ao lado do menino, que chora e sente saudades do amigo ronronento. A família toda sente sua falta. Suas coisas foram doadas para animais carentes, perderam as esperanças. 
A dona do Gato me procurou, pedindo um outro gatinho, que, claro, de mim não recebeu.
Não sei dizer o que aconteceu com o Gato e só espero que ele esteja vivo, bem, que tenha sido resgatado por alguma família que vá amá-lo e cuidar dele. Pena que tenha tido esse destino, pois é (era?? ) um gato jovem, de, no máximo, dois anos. 

Foto ilustrativa do Gato

Era, ainda mais uma vez, uma gateira, que tinha três gatinhas, todas adotadas. Viviam juntas numa casa, com amor, carinho, diversão, saúde, alimentação e conforto à vontade. Todas muito amadas, jovens e lindas.
Não preciso dizer que as janelas da casa não têm telas, pois, se tivessem, não estariam aqui neste post. Então um dia, esta pessoa me procura, pedindo um outro gatinho, porque uma das bonitinhas tinha morrido. Atropelada.
Uma gatinha jovem, com bons 15 anos de vida pela frente, se tivesse ficado dentro de casa.
Desculpe-me, eu não doo gatinhos para pessoas com históricos de gatos jovens que morreram  - ou sumiram - das maneiras acima mencionadas.

Mais uma vez? Bom, então lá vai: uma gatinha branquinha e linda, resgatada das ruas, morando na casa de uma outra gateira, com outros dois gatinhos.
Resolveu escalar as janelas do apartamento, pois era gatinha e gatinhos gostam de subir em janelas. Então ela subiu, mas, claro, não tinha proteção, mesmo sendo no 10° andar e morarem mais dois gatos na casa. E, claro, ela caiu. Do 10° andar. Milagrosamente não morreu na hora, ainda foi para o veterinário, passou por exames, cirurgias, sofreu por duas semanas, até que não aguentou, porque era muito jovem, muito pequenina. E morreu. Não caiu em pé. Não tinha mais seis vidas. Morreu, porque gatos se desequilibram e caem. Ela se desequilibrou. E caiu. 
Depois do trauma, a família resolveu telar as janelas. Graças a Deus. Mas precisaram, também, passar pelo sofrimento de perder um animalzinho amado. E a pobre gatinha, mais uma, pagou com sua vida pela dificuldade que as pessoas têm, em entender que lugar de gato é dentro de casa, sem acesso aos perigos do lado de fora.

Foto ilustrativa da gatinha branca

E tem ainda aquela que deixava o gatinho de um ano sair e ele caiu na boca do cachorro do vizinho. Bem cruel a morte, né? Imagine seu bebezinho lindo sendo rasgado por dentes afiados de um cachorrão enfurecido. O desespero. A dor. Ainda bem que acaba logo. Você já viu um (ou mais) cachorro matar um gato? Não queira. É de cortar o coração.

Um dos argumentos para não se telarem as janelas - e acho que é o pior de todos - é que gato precisa de liberdade, PRECISA sair, NÃO DÁ pra segurar o gato dentro de casa. Não dá mesmo. Se você não quiser.

Um gato é programado (por Deus, seu criador) para viver, aproximadamente 20 anos. Claro que precisa ter alimentação de qualidade, cuidados veterinários,etc. Mas, principalmente, precisa ter segurança. Um gato com acesso às ruas, vive, em média CINCO anos - quinze a menos do que o programa inicial.
Além disso, os humanos que, mesmo deixando o gato passear amam seus bichanos, perdem noites de sono, sofrem a ausência, choram, ficam de luto, fazem seus filhos e toda sua família passar por sofrimentos que poderiam ser evitados. Por quê? A vida já não tem dificuldades demais? Não entendo porque não eliminar uma.

Outro argumento é o preço. Até entendo, é realmente uma dificuldade, principalmente para quem tem pouca disponibilidade financeira. Não sei quanto custa colocar telas de nylon. Mas sei que QUALQUER COMERCIANTE do Brasil parcela pagamento, dá desconto, facilita, porque quer vender. E, por experiência própria, sei que é possível proteger a casa toda com tela de galinheiro - bem mais barata - um grampeador horas livres e boa vontade. Fábio, meu marido, telou sozinho nossa casa inteira antes de nos mudarmos. Veja:
Romeu - o Resgato Maloqueiro, tomando sol, folgado, na sacada.

Nicolau na janela do escritório - ele adora ficar nas janelas

 O gato mais lindo do mundo - seguro, curtindo momentos de ar livre

Nicolau Pancinha - querendo ir para a garagem, mas não pode, tem TELAS.

Meus gatos são felizes, preciso dizer. Ninguém é frustrado por não poder sair, disso tenho certeza.
Há pouco tempo soube de duas pessoas que foram "convertidas" pela minha ladainha. Uma, que deu lar temporário para um gatinho que resgatei e ele fugiu pela janela da lavação na segunda noite, vai telar para ter um gato. E outro que telou o quintal, sim, quintal, parte externa de casa. Eu não fiz isso, porque lá no meu quintal vivem meus quatro cães, que não gostam dos gatos - mais um perigo iminente para os bichanos.
Fotos do quintal telado:




Pra terminar, porque ficou longo. É possível ter gatos felizes que não tenham acesso às ruas, aos cães, aos carros, aos envenenamentos, aos mau-tratos, aos chutes, enfim aos seres humanos perigosos. É necessário zelar pela segurança do seu animal, pois ele está sob sua responsabilidade. Durante toda a vida dele ou a sua e ninguém te obrigou a ter um animal. É possível telar todas as janelas (inclusive basculantes de banheiros) com tela de galinheiro - ou a tela tradicional de nylon (tem que ser a tela de proteção para gatos, porque a de criança tem buracos maiores e eles passam por dentro).

Mantenha seus gatos, CASTRADOS, dentro de casa. Tele suas janelas. Por amor aos animais. Por amor à sua família.

Um abraço e bom final de semana.

Maria Cecília

9 comentários:

  1. muito bom Maria Cecília, acabei de compartilhar no face, aqui em casa, por mais que a casinha seja pequena, é tudo telado, todas as janelas e eles, os 3, são felizes aqui dentro, eles tem tudo que precisam aqui fechadinhos!!!! bjuuu

    ResponderExcluir
  2. Valeu Cecília, depois que telei todo o quintal fiquei mais feliz, agora sei que eles sempres estão protegidos. Antes, qdo chegava em casa e eles não apareciam de imediato a angústia tomava conta. Investimento já se pagou.

    Abs

    Cesar

    ResponderExcluir
  3. Participo de um Grupo de Doação de gatos resgatados. Só doamos para apto telados e casas seguras com janelas teladas e muros altos. Vamos até a residênicia verificar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom Tania. É aqui em Blumenau? Um abraço e obrigada por participar.

      Excluir
  4. Olá, tudo bem? Sabe me dizer se essas telas de galinheiro são seguras? Vamos nos mudar para um apartamento que tem sacada. Não quero mais telas de nylon, meus gatos roem, os dois têm 1 ano. Desde já agradeço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, desculpe-me a demora em responder. Sim, elas são resistentes e seguras. Nossa casa anterior ( o gato deitado na sacada, apoiado na tela de galinheiro é meu, foto feita em casa ) era toda telada com tela de galinheiro. Na casa atual ainda temos, nas janelas das salas a mesma tela. Coloque sem medo. Um abraço, feliz Natal.

      Excluir
  5. Olá, tudo bem? Sabe me dizer se essas telas de galinheiro são seguras? Vamos nos mudar para um apartamento que tem sacada. Não quero mais telas de nylon, meus gatos roem, os dois têm 1 ano. Desde já agradeço

    ResponderExcluir
  6. Boa noite, comprei algumas telas para pregar na grade de frente a casa. Sabe com o que eu prego elas na grade?
    Obrigado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rodrigo, bom dia. Tudo bem?
      Você comprou tela de galinheiro? Se for, te digo como meu marido faz: ele corta na medida da janela com um pouco de folga pra virar e grampeia com grampeador que tem na caixa de ferramentas. Pra cortar, ele usa um tesourão de costura, mas o de jardinagem também dá. É bem fácil,inclusive. Se for tela de nylon, que precisa de gancho, aí melhor perguntar para alguém do ramo, pois quando colocamos essas, chamamos um instalador também. Qualquer dúvida, escreva para o e-mail gatoderuablumenau@gmail.com - que fica mais fácil responder. Um abraço, feliz 2016.

      Excluir